segunda-feira, 30 de agosto de 2010

SERRA: DILMA DESRESPEITA ELEITORADO

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, acusou ontem a adversária do PT, Dilma Rousseff, de ter sentado na cadeira de presidente um mês antes da eleição. Essa atitude, segundo ele, demonstra falta de respeito com os eleitores.

Serra fez a acusação ao comentar uma declaração da petista, que aparece no topo das pesquisas sobre intenção de voto. No sábado, mesmo ressalvando que não está de "salto alto", por causa da liderança, Dilma disse que está disposta a "estender a mão" para o candidato tucano num eventual governo chefiado por ela.

"Essa declaração tem uma certa falta de respeito. É alguém sentando na cadeira (presidencial) a um mês da eleição", afirmou Serra. "Quem vai decidir quem vai sentar na cadeira é o povo, não um candidato isoladamente."

O comentário do tucano foi feito durante evento com representantes da comunidade nordestina de São Paulo. Ao lado da esposa Monica, ele fez um discurso para cerca de 300 pessoas, durante o qual afirmou que nunca teve "padrinho" ou "patrocinador", em mais um ataque a Dilma. Insinuou que ela estaria liderando as pesquisas não pelas qualidades pessoais, mas sim pelo fato de ser apadrinhada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"O que eu me apresento é com o que eu disse. E não com o que os outros dizem que eu fiz ou o que vou fazer", disse. No discurso também prometeu, se eleito, dar moradia às famílias que recebem até três salários mínimos.

Casas. O candidato questionou a eficácia do programa Minha Casa Minha Vida, afirmando que é constituído "mais propaganda do que fato". De acordo com sua análise, a meta de entregar um milhão de moradias até o final deste ano não será alcançada pelo programa: "Não vão entregar mais do que 1/5 disso."

Numa sequência de ataques ao Planalto, o candidato disse ainda que sob a gestão Lula nada foi feito pela favela de Heliópolis, a maior de São Paulo. Contrariando o que vem sendo dito na propaganda de Dilma, no horário eleitoral, assegurou que os programas de moradia daquela comunidade foram implementados pelo governo paulista.

"Sabe quem está querendo faturar com isso? É a candidata federal, a Dilma", ironizou. "Eles não fizeram nada por lá."

Serra foi convidado a cantar Asa Branca, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, e acabou cantarolando algumas frases.

Monica, usando um chapéu de cangaceiro, foi chamada pela apresentadora do evento de "mainha dos nordestinos". Um chapéu semelhante foi oferecido a Serra, mas era pequeno demais para sua cabeça. Um dos anfitriões tentou socorrê-lo dizendo: "Serra pode ter a cabeça grande, mas tem um coração bom."

O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, que prometeu acompanhar Serra em todos os eventos em que o presidenciável comparecesse em São Paulo, não apareceu. Serra justificou a ausência, dizendo que "não dá para fazer 100% tudo junto".

Antes de sair, ainda pediu aos presentes para que enviem cartas aos seus parentes no Nordeste, contando sobre sua gestão à frente do governo do Estado.(Estadão)

Nenhum comentário:

Postar um comentário